Instituto Brasileiro de Museus

Museu da Inconfidência

Novas aquisições MDINC: Obras da artista Fayga são doadas pelo Instituto Ostrower

publicado: 29/03/2020 19h32, última modificação: 16/05/2020 13h31
Litogravura de Fayga Ostrower, 1980. Medidas: 39,7 x 59,8 cm (Foto: Instituto Ostrower)

Em março de 2020, o Instituto Ostrower, sob coordenação da filha da artista plástica Fayga Ostrower, Noni, realizou a doação de mais de 40 obras de arte da artista para a coleção museológica do Museu da Inconfidência.

A iniciativa em doar grande parte do acervo da artista para diversas instituições museais vem sendo oficializada desde o ano passado.

O Museu da Inconfidência/Ibram, em Ouro Preto, foi um dos museus contemplados pela artista para realizar uma de suas mais significativas mostras individuais, na Sala Manoel da Costa Athaíde, em 1987.

Litogravura de Fayga Ostrower, 1990. Medidas: 51,5 x 71,5 cm (Foto: Instituto Ostrower)

O acervo doado, incluindo gravuras, matrizes e publicações, foi vistoriado por membros da equipe técnica do MDINC na sede do Instituto, no Rio de Janeiro.

A principal contrapartida do museu no recebimento das peças será a inauguração de uma exposição comemorativa ao centenário de Fayga no segundo semestre de 2020.

Programa de doação
Em comemoração ao centenário de nascimento da artista plástica Fayga Ostrower (1920-2020) foi feito um Programa de doação de gravuras pelo Instituto Ostrower para museus e instituições do Brasil e do Exterior, durante o ano de 2019 e início de 2020.

Biografia
Fayga Perla Ostrower (Lodz, Polônia 1920 – Rio de Janeiro RJ 2001). Gravadora, pintora, desenhista, ilustradora, ceramista, escritora, teórica da arte, professora. Vem para o Brasil em 1934. Cursa artes gráficas na Fundação Getúlio Vargas (FGV), em 1947, onde estuda xilogravura com Axl Leskoschek (1889-1975) e gravura em metal com Carlos Oswald (1882-1971). Sua produção inicial em xilogravura apresenta temática predominantemente social. No início dos anos 1950 passa a produzir obras abstratas. Entre 1954 e 1970, leciona no Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro (MAM/RJ). Em 1955, viaja para Nova York como bolsista da Fulbright Comission. Trabalha no Brooklyn Museum Art School e estuda gravura no Atelier 17, de Stanley William Hayter (1901-1988). Em 1969, a Biblioteca Nacional do Rio de Janeiro publica um álbum de gravuras realizadas entre 1954 e 1966. A partir da década de 1970, dedica-se também à aquarela. Publica vários livros sobre questões de arte e criação artística, entre eles Criatividade e Processos de Criação, 1978, Universos da Arte, 1983, Acasos e Criação Artística, 1990, e A Sensibilidade do Intelecto, 1998. Em 1983, é realizada retrospectiva dos 40 anos de sua obra gráfica, no Museu Nacional de Belas Artes (MNBA) e, em 1995, a exposição Gravuras 1950-1995, no Centro Cultural Banco do Brasil (CCBB), no Rio de Janeiro. Em 2001 é lançado pela GMT Editora o livro Fayga Ostrower, organizado por Carlos Martins.

Fonte (biografia): FAYGA Ostrower. In: ENCICLOPÉDIA Itaú Cultural de Arte e Cultura Brasileiras. São Paulo: Itaú Cultural, 2020. Disponível em: http://enciclopedia.itaucultural.org.br/pess…/fayga-ostrower. Acesso em: 29 de Mar. 2020. Verbete da Enciclopédia.
ISBN: 978-85-7979-060-7